Em meio a um aumento de casos de Covid-19 na Bahia, a Secretaria de Saúde (Sesab) divulgou, nesta quarta-feira (8), que das 11,6 milhões de pessoas vacinadas com as 1ª e 2ª doses contra a Covid-19 no estado, cerca de 6,1 milhões não voltaram aos postos para reforçar a imunização com as 3ª e 4ª doses.

O número representa 60% dos imunizados no estado sem proteção adicional garantida.

Apesar do aumento do número de casos nas duas últimas semanas, a secretária diz que, no momento, os indicadores avaliados não justificam uma suspensão de eventos juninos ou adoção de alguma medida restritiva.

“Ainda que o número de casos ativos tenha crescido, os números de internações e de óbitos não sofreram alterações, o que permite que os eventos sejam mantidos ressaltando a importância da vacinação”, pontua Adélia.

A Sesab diz que tem realizado a distribuição das vacinas para os 417 municípios do estado e orientado gestores a realizarem ações, junto às lideranças locais, destacando a importância da vacinação, envolvendo a atenção básica e os agentes de saúde da família para a busca ativa das pessoas com esquema vacinal incompleto.

A diretora da Vigilância Epidemiológica Estadual Márcia São Pedro, reafirma que dose de reforço das vacinas contra covid-19 é um importante avanço no enfrentamento do vírus.

“Ela garante proteção ao indivíduo e bloqueia a transmissão coletiva do vírus. Depois disso, a orientação para quem vai celebrar os festejos juninos é dar preferência a espaços abertos”, reforça a sanitarista.

A Secretaria Estadual da Saúde diz ainda que tem elaborado e divulgado notas técnicas e alertas epidemiológicos, além de material educativo com reforço às orientações de prevenção e controle da doença, além de reuniões periódicas com as equipes técnicas regionais de saúde.

A Bahia teve um aumento de 166% em casos conhecidos de Covid-19 no mês de junho, em comparação com o mês de maio. Como consequência disso, a procura por testes disparou no estado e também na capital baiana.

Se comparados os primeiros sete dias de maio, o número de casos ativos somados passava de 2.300. Já em junho, o número de ativos nos primeiros sete dias do mês, passou de 3.300.

Segundo a Sesab, é cedo para afirmar que estamos em uma quarta onda da doença, mas já é possível registrar um aumento na taxa de positividade dos testes realizados no laboratório central do estado.