O secretário de Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas, disse que as taxas de internação no interior do estado estão aumentando e associou o crescimento às aglomerações em comícios e passeatas eleitorais. Sem citar cidades, ele afirmou que os prefeitos frearam as notificações da Covid-19 por temerem efeitos políticos.

“Dezenas de municípios estão se recusando a testar a população, com medo de aparecerem casos e isso ter impacto eleitoral. Isso é extremamente grave. Nós estamos ficando no pé de vários municípios. Estamos oferecendo uma capacidade de testagem próxima a cinco mil exames por dia no Lacen [Laboratório Central], e estamos processando menos da metade”, afirmou Vilas-Boas.

O secretário citou ainda há dificuldade em reduzir taxa de internação para percentuais abaixo de 70% em cidades do interior. Ele explicou que esses percentuais estão em desaceleração da queda, ou seja: mais pessoas passaram a ser hospitalizadas, o que fez as taxas caírem com menos rapidez.

Sobre a testagem da população, Fábio Vilas-Boas, afirmou que apesar de o Governo da Bahia oferecer testes para a covid-19, inclusive do tipo RT-PCR (considerado o mais confiável), vários municípios estão se recusando a testar a população com medo de que isso possa ter impacto nas eleições municipais.

Vilas-Boas ressalta que isso é extremamente grave e diz que a Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) está “ficando no pé” de vários municípios para que a população seja testada. Ele lembra que pode existir um risco de pessoas que já tiveram a doença contraírem de novo e afirma que a retomada das atividades deve ser feita de forma cautelosa, seguindo protocolos.