Pelo menos 413 aves silvestres e 42 galos de rinha foram resgatados de cativeiro e situação de maus-tratos no Sul da Bahia. O flagrante ocorreu em imóveis situados em São João do Paraíso, zona rural do município de Mascote, a 301 km de Salvador, neste final de semana. O caso só foi divulgado pela polícia no domingo (21/2).

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), uma denúncia de crime ambiental levou os policiais ao imóvel onde pássaros de diversas espécies, conhecidas popularmente como cardeal, pássaro preto, papa capim, coleira, azulão, sofrê, canário da terra, trinca ferro, tico tico e sabiá, além de uma grande quantidade de filhotes de papagaios e periquitos com apenas algumas penugens sobre o corpo, estavam presos.

As aves estavam amontoadas em caixas de papelão, gaiolas e viveiros, e em condições precárias de falta de higiene, suja com fezes e urina, sem água, com restrição de movimento, privação de luz e sem circulação de ar. Muitos estavam desidratados e debilitados e alguns já foram encontrados mortos. Os animais seriam comercializados nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro.

No imóvel vizinho os agentes encontraram uma quantidade expressiva de galos de rinha, animais utilizados em competições ilegais, para duelarem entre si, muitas vezes até a morte. O responsável pelo aprisionamento ilegal dos animais foi identificado e encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil.

Já os animais foram encaminhados para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (CETAS) de Cruz das Almas.  Lá eles serão triados, alimentados e tratados por equipes de veterinários e biólogos, onde passam por um processo de reabilitação para voltarem à liberdade.