Parque eólico na Bahia — Foto: Paula Fróes/GovBa

A Bahia é vice-líder na produção de energia eólica do Brasil, ficando atrás apenas do Rio Grande do Norte. Com isso, o estado tem sido um grande reforço na geração da eletricidade, em tempo de escassez hídrica, nos últimos dez anos.

Por causa da grande faixa litorânea e da área tropical, o Nordeste é a região brasileira que tem mais potencial de geração dessa atividade e detém a maioria dos parques eólicos do país. Esses parques são espaços terrestres onde ficam os aerogeradores, que transformam o vento em eletricidade.

Como o vento vira energia?

“O vento é transformado em energia quando ele encontra um motor mecânico, chamado turbina. Então nós temos as turbinas eólicas, que têm um motor e que têm três pás, o aerogerador. O vento encontra as três pás, gera uma força neste motor mecânico, que é transformada em energia elétrica”.

Por que a energia eólica é considerada limpa?

“Quando o vento toca o aerogerador, toca as pás e o motor mecânico transforma isso em energia elétrica, não há emissão de CO2 [dióxido de carbono], por isso ela é considerada limpa. Ao gerar energia, não se queima o combustível, só se utiliza o vento, que é limpo. Então, ela é limpa e é renovável”.

E por que é renovável?

“Porque é uma energia que vem do vento e o vento é infinito, ele se renova a cada instante. Então além de ser limpa, ela é renovável e tem essa característica infinita”.

E quando não tem vento?

“O vento é infinito, porém é variável. Então, nós temos períodos em que venta mais e períodos em que venta menos. O período em que venta mais é o que nós chamamos de safra dos ventos. No sentido figurativo, a gente fala que está colhendo mais vento, que é o período da segunda metade de junho a meados de novembro. Só que de novembro a maio, que é o período com menos colheita de vento, a gente ainda tem vento gerando energia. O vento não para nunca, ele varia, com período maior e período menor, mas a gente está sempre gerando energia”.

De que forma a Bahia contribui na geração de energia eólica?

“A Bahia está gerando energia, junto com a região Nordeste, para ajudar o Brasil a sair dessa escassez hídrica que estamos vivendo. Estamos vivendo a maior crise hídrica da história, por conta das questões climáticas. A Bahia contribui e muito para a segurança energética do Brasil, e para o abastecimento do país com fonte limpa, renovável e competitiva. Nós estamos evitando o acionamento de mais usinas térmicas e, portanto, de emissão de CO2 de custo ao consumidor final”.

Em números, quanto produzimos?

“Hoje, dos 19 gigawatts [unidade de potência da energia] que estão instalados e operando no Brasil, 17.5 estão no Nordeste brasileiro. O Rio Grande do Norte está com cerca de 5.9 gigawatts de capacidade instalada, e a Bahia com 5.4. E quando nós colocamos os parques [eólicos] em construção e os parques em geração, os dois estados estão muito próximos em termo de produção de energia eólica”.

Há uma escala de geração de crescimento?

“A Bahia é o segundo estado do país com a maior capacidade instalada de eólica, o segundo estado com a maior geração de eólica e também de projetos em construção. Nós temos um potencial enorme no estado. Nós temos um grande potencial, tanto próximo ao litoral, quanto no interior. Um aspecto muito relevante da eólica é o desenvolvimento social e econômico que essa fonte pode trazer”.