Cinco anos depois, o 7º Festival de Cinema Baiano (Feciba) volta ao seu lugar de vitrine das produções do estado. Serão dez dias de programação totalmente online e gratuita, entre 15 e 26 de março. Na grade, 50 filmes, quatro oficinas, 20 debates e duas lives-show.

Com o tema Dentro de casa, asa, o evento é uma produção do Núcleo de Produções Artísticas (Núproart) e da Voo Audiovisual, e chega para dar destaque ao que há de mais recente no cinema realizado por baianos. “É com muito prazer que realizamos a sétima edição do Feciba totalmente diferente e adaptado para esse momento pandêmico. Apesar de distantes, estamos conectados pelas redes e pela arte. O Festival veio para mostrar como o cinema baiano cresceu, multiplicou e está se tornando diverso”, celebra Edson Bastos, produtor executivo e diretor artístico do projeto

Os documentários de curta metragem “Aquenda”, dos(as) graduandos(as) Florisval Elias Neto, Bruno Gonzaga, Maria Luiza Moreira e Karollina Leite e “O Abebé Ancestral”, do estudante Paulo Ferreira, foram selecionados

Os estudantes da Uesc foram selecionados como únicos representantes da região sul da Bahia no evento, que contempla produções de todo o Estado feitas exclusivamente por realizadores baianos.