As academias de ginástica de Ilhéus estão na lista de “atividades essenciais” do município e por estarem nesta classificação estão desobrigadas a fechar as portas mesmo com a publicação do decreto estadual que limita, neste momento, o funcionamento da atividade em todo o estado. A condição de essencial foi conquistada no início do ano, graças à aprovação de um Projeto de Lei apresentado pelo vereador Jerbson Moraes (PSD), aprovado em plenário e sancionado em forma de lei pelo prefeito Mário Alexandre.

A Lei n. 4.105, reconhece “a prática da atividade física e do exercício físico como essenciais para a população de Ilhéus em estabelecimentos prestadores de serviços destinados a essa finalidade, bem como em espaços públicos”.

Cumprimento

“Por existir uma lei municipal, as academias podem funcionar”, explica o secretário de Mobilidade Urbana de Ilhéus, advogado Gabriel Bittencourt, assegurando que decretos não são superiores às leis municipais. Bittencourt integra o Comitê de Crise da Covid-19.

“O papel nosso é exigir o cumprimento de nossas leis”, afirma Jerbson Moraes. O presidente da Câmara destaca que para permanecer funcionando, as academias de Ilhéus terão que cumprir, com rigor e transparência, as medidas de higienização, distanciamento e reduzir a capacidade de ocupação das salas-, todas regras estabelecidas pelas autoridades sanitárias.

Cuidados

Na academia do professor e empresário Fabrício Daneu há controle permanente de temperatura, tapetes sintetizantes, uso de álcool em gel e máscaras e, pelo menos, duas vezes ao dia a academia é fechada ao público para higienização geral, de todos os espaços coletivos. Nos 94 metros quadrados de sala de aula é permitida apenas a quantidade máxima de 10 alunos. Todos com horário marcado.

O professor considera a lei municipal uma salvação para o setor. “Estamos rigorosos quanto à segurança sem abrirmos mão da oportunidade de estar oferecendo um serviço que é importante para o bem estar das pessoas”, afirma. De acordo com Fabrício, é consenso que a atividade física ajuda na imunidade. Ele lembra que recentemente a Associação Brasileira de Academias (ACAD) listou dados que mostram que os estabelecimentos podem fazer parte da estratégia de combate à doença.

“Isso porque os exercícios físicos oferecem benefícios para a saúde mental e física, além de proporcionar momentos de interação social, importante em um ano marcado por medidas de isolamento”. Desde a reabertura, Fabrício Daneu assegura que nenhum caso de Covid-19 foi registrado por funcionários e clientes.

Quartenário de Amônia

Viviane Pereira, também empresária do setor, explica que sua academia está funcionando com 50 por cento da capacidade, com agendamento pelo site. Para além de todos os cuidados que se tornaram padrões, a academia oferece ao cliente um kit individual contendo Quartenário de Amônia de 5ª geração, pano toalha descartável e sanitiza as áreas coletivas permanentemente. Um vídeo explica todo o funcionamento da academia e as medidas de segurança.

Ele assegura que esta lei municipal tem uma importância enorme tanto para as academias quanto para os usuários. “Primeiro que é um setor que gera muito emprego, aqui mesmo têm 25 famílias que dependem do trabalho”, assegura. Com relação aos benefícios para a população, Viviane lembra que uma pessoa que treina, ela fica em casa com mais tranquilidade do que estar isolada totalmente.

“Além de todos os protocolos de segurança, ela faz uma atividade física, aumenta a imunidade, dá um bem estar na pessoa e em casa vive menos pressão psicológica”, destaca. Viviane demonstra uma preocupação: nos últimos tempos tem recebido uma grande quantidade de pessoas com sintomas de ansiedade, hipertensão e diabetes.